Veleiro Catamarã ou Monocasco?

Veleiros 09 abril de 2019

Um veleiro monocasco ou catamarã, o que que é melhor? Todas as diferencias em termos de espaço, navegação, segurança e custos.

E uma questão bem polêmica que tem prós e contra dos dois lados. O veleiro monocasco é o barco da maioria, porém o veleiro catamarã é bem apreciado no mundo da vela. Qual é a vantagem do veleiro catamarã? Primeiro o espaço. É a grande diferença sendo o catamarã bem mais largo de um veleiro mono casco.

Por exemplo um veleiro catamarã da faixa dos 40 pés se consegue colocar até quatro suítes, sendo que em um mono casco do mesmo tamanho se colocaria no máximo 3 camarotes e 2 banheiros. Então se ganha uma suíte a mais e um catamarã.

E a grande vantagem e também no espaço entre os cascos, no qual se pode montar um grande salão junto com a cozinha, com uma visão privilegiada panorâmica tanto a proa que a popa. Além disso o convés é muito grande, assim como o cockpit é muito amplo, privilegiando o conforte a bordo especialmente em caso de tripulações numerosas ou de famílias com crianças. Também pode colocar um bote maior, com mais  uma grande vantagem em termos de espaço nos transferimentos pra terra.

E a navegação com Catamarã?

Antes de tudo, com um catamarã você não tem aquele gostinho da adernada que o veleiro monocasco proporciona. Ele é mais estável e não dá as mesmas sensações pra quem tem a preferencia de sentir um pouco mais de adrenalina. Em relação a velejar o catamarão não consegue orçar quanto o mono casco que, por sua conta, consegue aproveitar mais o vento. Em termos de velocidade o catamarã é mais rápido do mono casco em algumas situações de vento como vento através ou alheta. Porém não no vento de proa, no qual o monocasco leva vantagem.

E a segurança?

Se fala que o monocasco  é “auto adricante”, ou seja ele é projetado porque em caso de tombamento,  volte na posição original por efeito do peso da quilha. Já se viram barcos abandonados pela tripulação continuaram navegando e dando a volta ao mundo sozinhos. Também se foram encontrados sem mastro, por causa de vários tombamentos, de qualquer forma o casco era sempre em posição de navegação. De outro lado, um catamarã não pode virar em caso de tombamento, também trata-se de um evento mais raro, especialmente em catamarãs de grandes dimensões. Mas mesmo assim é um evento extremo que tem que ser considerado em particulares condições de navegação. Nos catamarãs menores, algumas vezes, se instala um balão no topo do mastro para evitar que o tombamento seja completo e  os cascos fiquem pelo menos a 90 graus respeito à superfície da água.

Catamarãs de produção industrial e construídos e grandes volumes geralmente não apresentam problemas de falhas estruturais. Diferente é quando falamos de catamarãs construídos artesanalmente ou por estaleiros com baixos volumes de produção. Neste caso é importante considerar que alguns perigos de fraquezas estruturais são próprias da construção multicasco. Em passado já se viram bastantes quebras estruturais, em particular na parte de junção entre os cascos, no momento de enfrentar condições adversas com ondas e a embarcação batendo violentamente na água.

Facilidade de utilização

Falando de embarcações de cruzeiro, o catamarã é bem mais fácil de conduzir em todas as situações. Apesar de um volume maior que pode enganar, durante uma velejada ele perdoa muito mais erros. Sendo uma embarcação mais grande os tempos de reação são maiores nos permitindo de ficar com facilidade na margem de segurança. Manobras em porto são também muito mais fáceis por causa dos dois motores que geralmente são instalados em cada casco. Sendo as duas hélices muito distantes uma da outra podemos até chegar a fazer o barco virar em si mesmo sem nenhuma dificuldade. Por exemplo um acostamento no atracadouro é bem mais fácil, comparado com monocasco também se equipado com hélice de proa.

A questão do calado favorece claramente o catamarã. Por isso ele é preferido em áreas de navegação onde se tem a exigência de navegar perto de corais ou áreas rasas.

Tipicamente, no Caribe temos uma grande presença desse tipo de embarcação, que com um calado que é ao redor dos 50 centímetros, permite navegar com muito mais segurança, ou até chegar bem perto da areia da praia.

E a questão do preço?

O veleiro catamarã é bem mais caro do nonocasco. Para ter uma ideia, um veleiro catamarã de 39 pés, como por exemplo o Lagoon 39, custa o dobro de um veleiro monocasco Beneteau Oceanis 38. A paridade de comprimento o volume do catamarã é bem maior e consequentemente também o preço.

Custos

Falando de custos na marina, o catamarã paga bem mais, muitas vezes exatamente o dobro, por causa da sua largura. Em relação aos  custos de manutenção, nesse caso não se trata exatamente do dobro do valor, porquê geralmente temos um mastro só e vários equipamentos que não são duplicados respeito a o monocasco. Porém, os motores são dois, dois cascos e em geral dimensões de equipamentos maiores e consequentemente um custo por de manutenção por ano sensivelmente mais alto.

Resumindo não existe a escolha perfeita. Muito depende, como sempre, das próprias preferências pessoais, da área de navegação e o utilizo o que se entende fazer do barco.

Tags:
Catamarã Monocasco